segunda-feira, 24 de julho de 2017

Por favor, não mexer! de Márcia Batista



POR FAVOR, NÃO MEXER!
de Márcia Batista
Oficina do Livro, Abril 2004
Romance
128 páginas
Sinopse
Nos últimos anos da sua adolescência, tudo parece sorrir a Bárbara: conta com a amizade incondicional de Mariana, com o amor apaixonado de Francisco e tem a força necessária para correr atrás do sonho da sua vida - ser actriz.
Até ao momento em que o destino lhe mostrou que tudo pode mudar num abrir e fechar de olhos. O acidente da sua amiga Mariana, a violação de que foi vitima por parte de Francisco e a decisão de fazer um aborto, perante a inesperada realidade de uma gravidez indesejada, foram algumas das surpresas que vieram perturbar a perfeição em que vivia. E, ao escolher um estranho como confidente para a ajudar a enfrentar a dor, a angústia e a tristeza, apercebe-se de que muitas vezes há que voltar atrás para se poder seguir em frente.

«O seu ar indiferente fê-la ganhar, mais uma vez, sem ter que usar as suas preciosas palavras. Ela olhava-me a mim e às outras pessoas como se fôssemos transparentes. Ou talvez tão óbvios que o seu olhar nos atravessava ao mesmo tempo que lia toda a nossa história. Os seus olhos, de um negro profundo, não espelhavam nada além dos reflexos do que viam. Eram impenetráveis, mas penetravam-nos incessantemente.»
 «Afinal, toda a sua força vinha de um ódio que, naturalmente, alimentava, de um trauma que a martirizava.» 
«Às vezes não precisamos de enfrentar as coisas. Principalmente se não estivermos preparados. Podemos simplesmente contorná-las, o que não quer dizer que as estejamos a esquecer » 
«...deu-me a sensação de que cada recordação era como uma faca que a ia espetando mas que tinha que arrancar, embora lhe doesse, por já não conseguir aguentar mais.»

Por favor, não mexer! fala de passado e da necessidade de o resolver e superar os seus acontecimentos traumáticos para se conseguir ter um futuro. Bárbara dá uma segunda oportunidade ao seu primeiro e grande amor e este volta a trair-lhe a confiança de forma muito violenta, ela fecha-se numa concha e torna-se impenetrável, tal como esse passado que quer guardar numa caixa  para não mais abrir. Mas para avançar Bárbara terá de remexer nela e voltar a encarar tudo o que está lá dentro para depois a fechar de forma definitiva.
Um livro com uma linguagem informal, ritmada, de leitura rápida, mas com muitos clichés, um pouco à semelhança daqueles filmes da sessão da tarde, bons para entreter.  

Márcia Batista 
É o primeiro e até à data único livro da autora de 40 anos de Vila Nova de Gaia, cuja formação e profissão passam ao lado do mundo dos livros.


** (Razoável)







Sem comentários:

Enviar um comentário