segunda-feira, 17 de julho de 2017

Livro de Citações - Mil Sóis Resplandecentes


«Nos dias e semanas que se seguiram, Laila lutou freneticamente por gravar na memória o que acontecera a seguir. Tal como um amante de arte em fuga de um museu a arder, agarrava o que podia - um olhar, um sussurro, gemido - para o impedir de ser destruído, para o preservar, mas o tempo é o mais inexorável dos incêndios e, no final, ela não conseguiu salvar tudo.»


«Tinha passado esses anos num canto distante da sua mente. Um campo seco e estéril, para lá de desejos e lamentos, para lá de sonhos e desilusões. Ali, o futuro não interessava. E o passado continha apenas a sabedoria: o amor era um erro perigoso, e a sua cúmplice, a esperança, uma ilusão traiçoeira. E sempre que essas venenosas flores gémeas começavam a brotar na terra ressequida desse campo, Mariam arrancava-as e deitava-as fora antes de criarem raízes.»

«Talvez compreender apenas quando as coisas já não têm remédio seja o castigo justo para os que não tiveram coração.»

Sem comentários:

Enviar um comentário